Contatos

twitter: @LabSisUFRN; telefone: 84 3215-3796;
facebook: LabSis Ufrn

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Seminário LabSis de 25/08/2016

    Dando continuidade a série de seminários de 2016, nesta quinta-feira, dia 25/08, às 15:30 h, no auditório do Módulo REUNI do Departamento de Geofísica, será proferido o segundo seminário do LabSis, do ciclo de 2016. O palestrante será Hugo Esteban Poveda, do Departamento de Geofísica (DGEF) e  doutorando do Programa de Pós-graduação em Geodinâmica e Geofísica (PPGG -UFRN).

Título: Estrutura da Crosta Média e Superior para o Noroeste da América do Sul a Partir de Tomografia de Ruído Sísmico Ambiente
 
Resumo:

    São apresentados mapas tomográficos do modo fundamental das ondas Rayleigh, para o Noroeste da América do Sul. Esses mapas são construídos para uma faixa de períodos de 6-38 s, a partir da correlação cruzada de ruído sísmico ambiente, com dados da rede sismográfica do Serviço Geológico da Colômbia, com 53 estações de banda larga. Foram recuperadas um total de 1.300 funções de Green empíricas, para um períodos de três anos de registro. A partir das funções de Green, foram obtidas curvas de dispersão, as quais foram invertidas utilizando uma grade de 0.5° X 0.5°, usando o método iterativo não-linear. Os mapas tomográficos mostram uma excelente correlação com a geologia da superfície. Onde as anomalias de baixa velocidades estão relacionadas com rochas sedimentares e depósitos quaternários nas regiões da costa do Caribe e do Pacífico, Já na região da cordilheira oriental essas baixas velocidades estão associadas à uma cobertura de rochas sedimentares do cretáceo. Por outro lado, as anomalias de altas velocidades são correlacionadas com complexos ígneos-metamórficos de idade Jurássica e com o embasamento do pré-cambriano, presentes na serra de Nevada de Santa Marta e na cordilheira central. Adicionalmente, os mapas tomográficos foram invertidos para se obter modelos de velocidades da onda S, com o objetivo de construir perfil 3D de velocidades de onda S para a região da Colômbia.
Palavras Chaves: Interferometria, Correlação Cruzada, Ruído Sísmico Ambiente, Tomografia.

Fonte: LabSis/UFRN
Hugo Esteban, Jordi Julià, Rodrigo Luiz.

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Seminário LabSis de 18/08/2016

    Recomeçando a série de seminários de 2016, nesta quinta-feita, dia 18/08, às 15:30 h, no auditório do Módulo REUNI do Departamento de Geofísica, será proferido o primeiro seminário do LabSis, do ciclo de 2016. O palestrante será Francisco Hilário Bezerra, do Departamento de Geologia (DG) e do Programa de Pós-graduação em Geodinâmica e Geofísica (PPGG -UFRN), especialista em Neotectônica.

TítuloVariação espacial e temporal do campo de tensões (esforços) na margem continental do Brasil

Resumo:

    Tensões (ou esforços) tectônicas variam no espaço e no tempo. Estas tensões podem ser investigadas por métodos geofísicos (mecanismo focal, breakout, perfis de imagem, anelastic strain recovery) e métodos geológicos (população de falhas e estrias). O primeiro grupo tem sido usado para determinar tensões atuais e o segundo tem sido usado para determinar tensões atuais e passadas.     Estudos atuais que reúnem mecanismos focais, breakouts e perfis de imagens indicam que as tensões tectônicas na Bacia Potiguar variam ao longo da costa e em profundidade nas camadas sedimentares. Tais dados indicam um quadro muito mais complexo do que aquele inicialmente esperado e  que a variação espacial do campo de tensões é provocada por causas locais. 
    O estudo de falhas indica que as tensões variaram de forma significativa desde a separação entre América do Sul e África e que pelo menos três campos de tensões são observados em várias bacias do Nordeste. Estas variações de tempo têm relação com a interação das grandes placas. 
    As variações espacial e temporal dos campos de tensões têm implicações importantes para a reativação de falhas e sismicidade atual.O estudo da fonte sísmica é importante para um melhor entendimento dos processos físicos dinâmicos geradores de sismos e para investigações sismotectônicas de uma região. 

Fonte: LabSis/UFRN
Francisco Hilário Bezerra, Jordi Julià, Joaquim Ferreira

terça-feira, 26 de julho de 2016

Novo tremor na cordilheira meso-oceânica em 26/07/2016

    Hoje, 26/07, às 05:49 UTC, ocorreu um novo tremor na dorsal meso-oceânica, desta vez de magnitude 5.4.  O epicentro do evento está localizado a aproximadamente 970 km a NNW da ilha de Ascensão, a 1.205 km a E de São Pedro e São Paulo, a 1.585 km a ENE de Fernando de Noronha e a 1.940 km a ENE de Natal. 
    O mapa de localização epicentral está na Figura 1.

Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro está simbolizado pela estrela vermelha. O triângulo vermelho indica a localização da estação de Riachuelo (RCBR). 
    O registro do evento na estação de Riachuelo está mostrado na Figura 2.

Figura 2. Registro do evento na estação RCBR.
Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Novo tremor próximo de São Pedro e São Paulo em 24/07/2016

    Ontem, 24/07, às 14:10 UTC, ocorreu um novo tremor na dorsal meso-oceânica, desta vez de magnitude 5.4.  O epicentro do evento está localizado a aproximadamente 45 km a E de São Pedro e São Paulo, a 650 km a NE de Fernando de Noronha, a 1.000 km a NE de São Miguel do Gostoso, a 1.020 km a NE de Natal e a 1.190 km a NE de Fortaleza. 
    O tremor ocorreu dentro da Zona Econômica Exclusiva de 200 milhas (ou 370 km). Dada a proximidade ao arquipélago, é bastante provável que o mesmo tenha sido sentido. Tentamos contato, mas o número que nos foi fornecido não funcionou.
    O mapa de localização epicentral está na Figura 1.

Figura 1. Mapa de localização epicentral do evento. O epicentro está simbolizado pela estrela vermelha. O triângulo vermelho indica a localização da estação de Riachuelo (RCBR). 
    O registro do evento na estação de Riachuelo está mostrado na Figura 2.

Figura 2. Registro do evento na estação RCBR.
Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Novos tremores na cordilheira meso-oceânica em 19 e 20/07/2016

    Ontem, 19/07, e hoje, 20/07, foram registrados dois tremores, na cordilheira meso-oceânica. O primeiro evento, de magnitude 4.9, ocorreu às 18:49 UTC, do dia 19. O segundo evento, de magnitude 5.2, ocorreu às 07:57 UTC de hoje.
   O epicentro do primeiro evento  está localizado a aproximadamente 1.280 km a SW da ilha de Santa Helena, a 2.790 km a E de Vitória, a 2.930 km a ESE de Salvador e a 3.020 km a E do Rio de Janeiro. O segundo evento tem epicentro localizado a aproximadamente 805 km a W da ilha de Santa Helena, a 850 km a S da ilha de Ascensão,  a 2.510 km a ESE de Recife, a 2.640 km a ESE de Natal e a 2.760 km a E de Salvador. 
    O mapa de localização epicentral está na Figura 1.

Figura 1. Mapa de localização epicentral dos eventos (estrelas). A estrela verde indica o epicentro do sismo do dia 19. A estrela vermelha indica o local do epicentro do sismo do dia 20.
Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Novo tremor na cordilheira meso-oceânica em 04/07/2016

    Hoje, 04/07, às 10:52 UTC, ocorreu um novo tremor na dorsal meso-oceânica, desta vez de magnitude 4.9.  O epicentro do evento está localizado a aproximadamente 850 km a NNE da ilha de Ascensão, a 1.870 km a E de São Pedro e São Paulo, a 2.440 km a ENE de Fernando de Noronha, a 2.585 km a ENE de Natal e a 2.610 km a ENE de Recife. 
    O mapa de localização epicentral está na Figura 1.

Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro do evento está representado pela estrela vermelha.
Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Novos tremores na cordilheira meso-oceânica em 29/06/2016

    Hoje, 29/06 foram registrados três tremores, na cordilheira meso-oceânica, o primeiro, isolado, e os dois últimos com epicentros muito próximos. O primeiro evento, de magnitude 5.1, ocorreu às 09:58 UTC. O segundo evento, de magnitude 5.2, ocorreu às 11:07 UTC. O terceiro evento teve magnitude 5.1 e ocorreu às 11:17 UTC. 
     O epicentro do primeiro evento  está localizado a aproximadamente 550 km a S da ilha de Ascensão, a 2.255 km a ESE de Recife, a 2.320 km a ESE de Maceió, a 2.380 km a ESE de Natal e a 2.440 km a E de Aracaju. Os dois últimos eventos tem epicentro localizado a aproximadamente 790 km a SW da ilha de Santa Helena, a 1.360 km a SSW da ilha de Ascensão, a 2.800 km a ESE de Maceió, a 2.810 km a ESE de Recife, a 2.950 km a ESE de Salvador, a 2.970 km a E de Vitória. 
    O mapa de localização epicentral está na Figura 1.

Figura 1. Mapa de localização epicentral dos eventos (estrelas). As letras a, b e c indicam a ordem de ocorrência.  O triângulo vermelho indica a localização da estação de Riachuelo (RCBR). 
    Os registros desses eventos, em RCBR, estão na Figura 2.

Figura 2. Sismograma 24 h de RCBR. As letras a, b e c mostram os registros dos eventos.
Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira

Tremor de terra sentido em Sergipe em 28/06/2016

    Hoje de manhã fomos informados por Rosa, da TV Sergipe, de que um tremor de terra tinha sido sentido ontem à tarde nos municípios de Canhoba e Amparo do São Francisco, próximos ao Rio São Francisco, divisa dos estados de Sergipe e Alagoas. 
    Analisando os registros das estações operadas pelo LabSis verificamos que esse evento foi registrado por diversas estações tendo sua hora de origem às 19:49 UTC (16:49) hora local e a magnitude preliminar estimada em 2.5.
    O registro desse evento na estação de Lagarto-SE (NBLA) é mostrado na Figura 1.

Figura 1. Registro do evento na estação NBLA.
Fonte: LabSis/UFRN; RSISNE; INCT-ET
Joaquim Ferreira, Eduardo Menezes, Guilherme Sampaio

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Novo tremor de terra em Caruaru em 24/06/2016

    Na madrugada de hoje, 24/06, às 03:57 UTC (00:57 hora local) ocorreu um novo tremor em Caruaru, desta vez de magnitude preliminar estimada em 2.2. O epicentro foi na parte norte do município, sendo mais fortemente sentido na região do Salgado.
    O mapa de localização epicentral está mostrado na Figura 1.

Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro está simbolizado pelo círculo vermelho. A estação de Caruaru (NBCA) está simbolizada pela bolinha branca. 
    O registro do evento na estação NBCA está mostrado na Figura 2.

Figura 2. Sismograma do dia 24/06 da estação NBCA. O evento pode ser visto, em destaque, à direita. Podem-se ver, também, registros de outros eventos menores.

Fonte: LabSis/UFRN; RSISNE; INCT-ET
Joaquim Ferreira, Eduardo Menezes

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Mais tremores na cordilheira meso-oceânica em 19/06/2016

    Ontem, 19/06, às 22:52 e 23:13 UTC, ocorreram novos tremores na dorsal meso-oceânica, desta vez de magnitude 4.8 e 5.4, respectivamente. Os epicentros dos evento estão praticamente em cima da do evento também ocorrido ontem às 01:12 UTC, ou seja, localizado a aproximadamente 405 km a NE da ilha de Ascensão, a 2.340 km a ESE de Fernando de Noronha, a 2.590 km a ENE de João Pessoa, a 2.600 km a ENE de Recife e a 2.630 km a E de Natal. 
    O mapa de localização epicentral está na Figura 1.

Figura 1. Mapa de localização epicentral dos eventos (estrela vermelha). O triângulo vermelho indica a localização da estação de Riachuelo (RCBR). 
  
   O registro desses eventos na estação RCBR está mostrado na Figura 2.

Figura 2. Registro de 24 h da estação RCBR. O registro do evento de magnitude 4.8 está dentro do retângulo verde. O registro do evento de magnitude 5.4 está dentro do retângulo vermelho.
Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira