Contatos

twitter: @LabSisUFRN; telefone: 84 3215-3796;
facebook: LabSis Ufrn

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Novo tremor na cordilheira meso-oceânica em 16/02/2017

    Hoje, 16/02, às 05:38 UTC, ocorreu um tremor de magnitude 5.0 na cordilheira meso-oceânica. O epicentro do evento está localizado a aproximadamente a 882 km a WSW de Santa Helena, a 1.098 km a S de Ascensão, a 2.540 km a ESE de Recife, a 2.720 km a ESE de Salvador e a 2.815 km a E de Vitória.
     O mapa de localização epicentral está na Figura 1.


Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro está simbolizado pela estrela vermelha. O triângulo vermelho indica a localização da estação de Riachuelo (RCBR). 
        O registro do evento na estação RCBR está mostrado na Figura 2.

Figura 2. Registro 24 h da estação RCBR. O evento está dentro do retângulo vermelho.
Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Novo tremor na cordilheira meso-oceânica em 17/02/2017 próximo a São Pedro e São Paulo

    Hoje, 15/02, às 01:34 UTC, ocorreu um tremor de magnitude 4.9 na cordilheira meso-oceânica. O epicentro do evento está localizado a aproximadamente a 120 km a E de São Pedro e São Paulo (portanto, dentro da Zona Econômica Exclusiva do Brasil, de 200 milhas, ou 370 km), a 785 km a NE de Fernando de Noronha, a 1.045 km a NE de São Miguel do Gostoso,  a 1.56 km a NE de Natal e a 1.240 km a ENE de Fortaleza.
     O mapa de localização epicentral está na Figura 1. 


Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro está simbolizado pela estrela vermelha. O triângulo vermelho indica a localização da estação de Riachuelo (RCBR)
    O registro do evento na estação RCBR está mostrado na Figura 2.

Figura 2. Registro 24 h da estação RCBR. O evento está dentro do retângulo vermelho.
Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Novo tremor na cordilheira meso-oceânica em 10/02/2017

    Hoje, 10/02, às 02:58 UTC, ocorreu um tremor de magnitude 5.3 na cordilheira meso-oceânica. O epicentro do evento está localizado a aproximadamente a 795 km a WSW de Santa Helena, a 1.110 km a S de Ascensão, a 2.620 km a ESE de Recife, a 2.8250 km a ESE de Salvador e a 2.900 km a ENE de Vitória.
     O mapa de localização epicentral está na Figura 1. 


Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro está simbolizado pela estrela vermelha. O triângulo vermelho indica a localização da estação de Riachuelo (RCBR)
    O registro desse evento na estação RCBR está na Figura 2.

Figura 2. Registro 24 h da estação RCBR. O evento está dentro do retângulo vermelho.
Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Novo tremor na cordilheira meso-oceânica em 08/01/2017

    Ontem, 08/01, às 04:19 UTC, ocorreu um tremor de magnitude 5.1 na cordilheira meso-oceânica. O epicentro do evento está localizado a aproximadamente a 515 km a NNE de Ascensão, a 1.990 km a ESE de São Pedro e São Paulo, a 2.260 km a E de Fernando de Noronha, a 2.565 km a ENE de Recife e a 2.575 km a E deNatal.
     O mapa de localização epicentral está na Figura 1. 

Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro está simbolizado pela estrela vermelha
Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Novo tremor na cordilheira meso-oceânica em 05/01/2017

    Hoje, 05/01, às 03:23 UTC, ocorreu um tremor de magnitude 5.2 na cordilheira meso-oceânica. O epicentro do evento está localizado a aproximadamente a 1.022 km a SW de Santa Helena, a 1.618 km a S de Ascensão, a 2.890 km a E de Vitória, a 2.950 km a ESE de Salvador e a 3.140 km a E do Rio de Janeiro.
     O mapa de localização epicentral está na Figura 1. 


Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro está simbolizado pela estrela vermelha. O triângulo vermelho indica a localização da estação de Riachuelo (RCBR). 
   
  O registro do evento na estação de RCBR está mostrado na Figura 2.

Figura 2. Registro 24 h da estação RCBR. O evento está dentro do retângulo vermelho.
Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira

Laboratório Sismológico da UFRN (LabSis) instalará estações portáteis no Maranhão

    A atividade sísmica no Maranhão continuava apresentando várias réplicas, segundo registros da estação ROSB, da Rede Sismográfica Brasileira (RSBR), instalada em Rosário, Maranhão, a cerca de 40 km da área epicentral.
    Levando em consideração essa atividade e o fato de que não há estudos com redes locais no Maranhão, o  LabSis resolveu instalar uma rede local para estudar a atividade sísmica ora presente. Hoje, seguiram para o Maranhão os técnicos Eduardo Menezes e Flauber Carlos devendo termos mais informações no final de semana. A viagem está sendo financiada pelo INCT de Estudos Tectônicos (INCT-ET), coordenado pelo Dr. Reinhardt Fuck.
    Um mapa da região onde será realizado o trabalho está mostrado na Figura 1.

Figura 1. Mapa da região de interesse. O epicentro está representado pela estrela azul. A estação de Rosário (ROSB), pelo triângulo vermelho. Em destaque, os limites do município de Cachoeira Grande.
     Estamos em contato com a Defesa Civil do Maranhão que já está realizando um levantamento macrossísmico na área, o que permitirá ter um conhecimento do efeito do tremor próximo ao epicentro e não só em São Luís e Teresina.
      Em sismologia, monitoramento e estudo com redes locais são essenciais para o conhecimento da sismicidade de uma região. O monitoramento permite saber o que está acontecendo e, redes de monitoramento, como a RSBR, permitem determinar magnitudes e epicentros, estes dependendo da magnitude dos eventos e da distribuição da rede de monitoramento. A RSBR, que cobre todo o país, foi implementada com financiamento da Petrobrás e, atualmente, conta com recursos da CPRM  para sua operação e manutenção. As instituições que instalaram e operam a rede são o ON, a USP, a UFRN e a UnB, responsável pela estação ROSB.
     Estudos com redes locais permitem não só determinar com maior precisão os hipocentros dos sismos (epicentros e profundidades focais) bem como determinar o mecanismo focal, identificando o plano de falha. Isso é essencial para qualquer discussão sobre a correlação da sismicidade e feições geológicas mapeadas na região. O LabSis vem fazendo isso nos últimos 30 anos com bastante sucesso.
     Um mapa geológico da região pode ser visto na Figura 2.

Figura 2. Mapa geológico da região. Fonte: Lyell Collection.
    O que se pode afirmar preliminarmente é que a atividade sísmica está ocorrendo na parte sul do Cráton de São Luís. Esperamos que essa campanha permita dizer muito mais do que isso.

Fonte: LabSis/UFRN, RSBR, INCT-ET
Joaquim Ferreira, Eduardo Menezes, André Silva

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Tremor de terra no Maranhão em 03/01/2017

    Hoje, às 12:43 UTC (09:43, hora local), ocorreu um tremor de terra no estado do Maranhão. Esse tremor foi registrado por várias estações da Rede Sismográfica Brasileira (RSBR; http://www.rsbr.gov.br/index.html) e teve seus parâmetros divulgados independentemente pela USP (http://www.sismo.iag.usp.br/ ) e pela UnB (http://www.obsis.unb.br/).
    Segundo a USP, o evento teria magnitude 4.6 e ocorrido próximo a Belágua. Para a UnB, o evento atingiu a magnitude 4.7 e ocorreu próximo a Vargem Grande. Independentemente dos parâmetros, esse foi um importante sismo na região Nordeste do Brasil, tendo sido sentido numa grande área nos estados do Maranhão e Piauí. Ver notícias, por exemplo, em:





    Em relação ao epicentro da USP o evento ocorreu a cerca de 90 km a SSE de São Luís e 240 km a NNE de Teresina. O mapa com a localização dos epicentros determinados está mostrado na Figura 1.

Figura 1. Mapa de localização epicentral. Em vermelho o epicentro localizado pela USP. Em amarelo, o epicentro localizado pela UnB.
    O registro desse evento na estação de Riachuelo-RN (RCBR) está mostrado na Figura 2.

Figura 2. Registro do evento na estação RCBR.
Fonte: LabSis/UFRN, RSBR, USP, UnB
Joaquim Ferreira, Eduardo Menezes, Heleno Lima Neto

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

João Câmara registra novo tremor de terra

Na madrugada do domingo (11.12), a cidade de João Câmara foi acometida por eventos sísmicos. O primeiro ocorreu às 11h29 (horário local), com magnitude de 2.1. O segundo tremor registrado foi às 3h31 com 1.7 de magnitude. O epicentro do terremoto foi na Região da Baixa de São Miguel, onde fica a Falha de Samambaia. Ao final da segunda-feira (12.12), o sismograma registrou 36 abalos sísmicos.
 Sismograma de RCBR mostrando tremores em João Câmara
 
Localização aproximada do epicentro dos tremores em João Câmara

 

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Novo tremor na cordilheira meso-oceânica em 26/11/2016

    No dia 26/11, às 02:39 UTC, ocorreu um tremor de magnitude 5.0 na cordilheira meso-oceânica. O epicentro do evento está localizado a aproximadamente a 446 km a SE de São Pedro e São Paulo, a 844 km a N de Fernando de Noronha, a 1.085 km a NNE de São Miguel do Gostoso, a 1.095 km a NE de Fortaleza e a 1.110 km a NNE de Natal.
     O mapa de localização epicentral está na Figura 1. 

Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro está simbolizado pela estrela vermelha. O triângulo vermelho indica a localização da estação de Riachuelo (RCBR). 
    O registro desse evento na estação RCBR está mostrado na Figura 2.

Figura 2. Registro do evento na estação RCBR.
Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

30 anos do terremoto de João Câmara: UFRN e IFRN promovem evento em alusão à data



    Este ano, o terremoto que abalou a cidade de João Câmara no dia 30 de novembro de 1986, bem como o início de uma sequência de eventos sísmicos nesta cidade completam, este ano, 30 anos. Estes eventos sísmicos foram marcantes sob aspectos científicos e sociais, e foram sem dúvida, a sequencia sísmica mais estudada no Brasil. Em alusão à data, o Laboratório de Sismologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LabSis/UFRN) e o campus João Câmara do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN), realizam uma série de palestras com renomes da Sismologia nacional, técnicos e pessoas que vivenciaram o fato.
    Em Natal, o seminário ocorrerá no dia 29.11, entre as 8h e 18h, no anfiteatro do Centro de Ciências Exatas e da Terra (CCET/UFRN) , com encerramento no Clube de Rádio Amadores do RN (Av. Rodrigues Alves, 1004 – Petrópolis), com o lançamento do Livro "João Câmara, 1986: Os abalos sísmicos e seus efeitos”, do Prof. Dr. Mario Takeya.
    Já na cidade de João Câmara, o evento acontecerá no dia 30.11, no campus local do IFRN, entre as 9h e as 15h30. Nomes de peso da Sismologia do Brasil estarão presentes, como Joaquim Ferreira, Alberto Veloso e Marcelo Assumpção.
    “Não poderíamos deixar de relembrar um acontecimento tão importante como esse. O sismo que ocorreu em 1986 abalou todo o país e mexeu diretamente com muitas famílias. Vamos rememorar e homenagear todo aquele trabalho  e aqueles que trabalharam na época”, explica o coordenador do LabSis, prof. Dr. Aderson Nascimento.

Sismo de João Câmara

    O sismo de João Câmara foi o de maior magnitude em uma série de eventos sísmicos que tiveram início no ano de 1986. O primeiro tremor – sentido inclusive em Natal – aconteceu no dia 21.08, e alcançou 4.3 na Escala Richter. No mês seguinte, foram dois eventos sísmicos: 4.3 e 4.4, respectivamente.  O terremoto principal ocorreu no dia 30.11, com magnitude de 5.1, seguido por milhares de réplicas. 

Fonte: LabSis/UFRN
Heloísa Lemos, Rodrigo Luiz.